CASO CLÍNICO 1

. . . . . . Pessoal, a coisa vai funcionar assim: fiz abaixo um breve resumo de um caso cínico publicado em periódico científico, adaptando algumas informações para deixá-lo coeso e enxuto. Abaixo desse resumo há uma série de perguntas que vocês devem ser capazes de responder. Respondam (se quiserem) na forma de Image (2)comentários. Quem acessar o blog não deve clicar no link “comentários” antes de redigir suas respostas (óbvio). Daqui uma semana eu vou olhar as respostas, fazer comentários e postar o link do artigo original. Não sei ainda se este é um formato interessante. Vamos tentar. O site que eu havia citado no Facebook (Class Marker) não funcionou como eu gostaria e, portanto, ele acaba de ser abandonado no vale das sombras do esquecimento. Há uma coisa que seria muito útil vocês fazerem: tecer comentários sobre este modelo de interação. Talvez um blog não seja o ideal, talvez alguém tenha alguma ideia diferente e mais interessante. Conto com vocês.

CASO CLÍNICO 1
Uma fêmea de Cocker Spaniel Inglês de 5 anos apareceu no Centro Médico Veterinário Lloyd da Iowa State University com uma história de 7 dias de vômito, inapetência, e letargia. Quatro semanas antes, a paciente foi diagnosticada com miosite mastigatória e recebeu tratamento de azatioprina e prednisona diariamente em dose imunodepressiva. Três semanas depois deste tratamento, desenvolveu claudicação na pata traseira esquerda e vômitos intermitentes. O caso continuou a se agravar, apesar do tratamento de suporte. No exame físico, a paciente estava ansiosa, mas com sinais vitais normais e nenhuma anormalidade na auscultação. A paciente tinha dificuldade crescente de se levantar do chão, mas os sinais óbvios de dor não foram induzidos à palpação do membro afetado. A paciente vomitou uma vez enquanto estava na sala de exame; não foram detectadas outras anormalidades ao exame físico. As radiografias abdominais revelaram hepatomegalia generalizada e leve derrame abdominal. Uma abdominocentese guiada por ultrassom foi feita e amostras do derrame foram coletadas para citologia e cultura. A citologia do derrame revelou 96% de neutrófilos, com alguns poucos macrófagos e monócitos. Em alguns pontos havia conjuntos de neutrófilos circundantes a hifas septadas. Os donos do paciente decidiram não tentar mais nenhum tratamento e o animal foi eutanasiado e submetido à necrópsia. O fígado estava difusamente pálido e havia numerosos pontos proeminentes piogranulomatosos na sua superfície (0,3 cm de diâmetro). Focos similares foram notados na parede da vesícula biliar, na superfície serosa do estômago, paredes do coração, ao longo de ambas as cavidades pleural e peritoneal do diafragma, além dos rins, adrenais, tireóide, esôfago, diafragma, fígado, baço, intestino delgado, nódulos linfáticos mesentéricos e pâncreas. Esses piogranulomas muitas vezes continham numerosas hifas moniliformes, septadas, com paredes paralelas e estruturas globosas lateralmente às ramificações (conídios – aleuriósporos).

PERGUNTAS:
1. De que grupo de microrganismos trata-se o caso clínico acima?
2. A característica de citologia citada é coerente ou não com esse grupo de microrganismos?
3. Quais as provas a serem feitas para confirmar a suspeita do item 1?
4. Há alguma maneira da primeira abordagem terapêutica feita (azatioprina e prednisona) se relacionar com o quadro clínico em questão ou foi apenas um equívoco de diagnóstico?
5. Qual a principal resposta imune que combate esse grupo de microrganismos?

4 Comments

  1. Ana Elizabeth de Souza Lima 31 de December de 2015 at 4:45

    O cão foi diagnosticado com uma doença autoimune, sendo tratada com imunossupressores . O caso com certeza trata de uma doença causada por fungo, sendo agravada pela imunossupressão, pela descrição me parece se tratar de uma aspergilose (qual???? Não sei) sendo confirmado a suspeita como material colhido pos- morten cultura ou histopatologico. http://www.unip.br/comunicacao/publicacoes/ics/edicoes/2007/04_out_nov/V25_N4_2007_p391-398.pdf
    A RI é feita pelo sistema fagocitario (Th1) Encontrado na necropsia, neutrofilos, macrofagos e monocitos .

  2. 1- o grupo de micro-organismos são os fungos. Como possuem hifas septadas acredito que seja bolores ou fungos filamentosos. Pode ser uma aspergilose.

    2- sim, o grupo dos fungos tem como características de morfologia e reprodução as hifas e conidios ( ectosporos).

    3- exame histopatologico ( imunofluorescência), provas indiretas ( pesquisa de anticorpos séricos) e exame microscópico direto.

    4- o tratamento de eleição fez com que facilitasse a infecção por fungos oportunistas ocasionada pela intensa imunodepressão.

    5- Resposta Imune Celular

  3. 1- o grupo de micro-organismos são os fungos. por possuir hifas septadas eu acredito que sejam bolores ou fungos filamentosos. No caso clínico acima, está sugestivo para aspergilose.
    2- Sim, Se trata de fungos por possuir características de morfologia e reprodução como hifas e conidios ( ectosporos).
    3- Exame Histopatológico ( Imunofluorescência), exames microscópicos diretos e provas indiretas ( pesquisa de anticorpos séricos).
    4- A abordagem terapêutica pela intensa imunossupressão fez com que facilitasse a infecção por fungos oportunistas .
    5- Resposta Imune Celular

  4. Pessoal, eu esperava que mais gente se interessasse, mas… acho que mais ninguém vai participar. Então aqui vão meus comentários:

    1. De que grupo de microrganismos trata-se o caso clínico acima?
    -FUNGOS MICELIANOS, PELAS ESTRUTURAS ENCONTRADAS (HIFAS SEPTADAS).

    2. A característica de citologia citada é coerente ou não com esse grupo de microrganismos?
    - É COERENTE, POIS OS NEUTRÓFILOS SÃO UM DOS TIPOS CELULARES ESPECIALMENTE PREPARADOS PARA LIDAR COM FUNGOS.

    3. Quais as provas a serem feitas para confirmar a suspeita do item 1?
    PODEMOS PENSAR NAS PROVAS CLÁSSICAS COMO CULTURA E IDENTIFICAÇÃO POR MICROMORFOLOGIA; MAS PODEMOS TAMBÉM PENSAR NAS MODERNAS TÉCNICAS DE BIOLOGIA MOLECULAR. O PROBLEMA AQUI É QUE NÃO HÁ QUALQUER INDICATIVO DE SUSPEITA, O QUE TORNA DIFÍCIL ESCOLHER OS PRIMERS PARA UMA REAÇÃO DE AMPLIFICAÇÃO (PCR).

    4. Há alguma maneira da primeira abordagem terapêutica feita (azatioprina e prednisona) se relacionar com o quadro clínico em questão ou foi apenas um equívoco de diagnóstico?
    SIM, HÁ, POIS ESSAS DROGAS SÃO IMUNODEPRESSORAS, E PROVAVELMENTE AJUDARAM O FUNGO A SE ESPALHAR E SE ESTABELECER NO HOSPEDEIRO, FACILITANDO O OPORTUNISMO DO FINGO.

    5. Qual a principal resposta imune que combate esse grupo de microrganismos?
    RESPOSTA CELULAR.

Comments are closed.